outubro 28, 2009

Crise: Mais EMH

Muito boa a dica do Mankiw sobre o artigo de Jeremy Siegel no WSJ de hoje sobre a (falta de) relação entre a Efficient Market Theory (EMH) e a crise econômica. Para sintetizar, o fato do prêmio de risco estar muito baixo nos últimos anos não significava que o risco era inexistente — apenas que a probabilidade (mal avaliada) de algo dar errado era muito baixa. Como esta probabilidade (mal avaliada) se comporta como uma probabilidade, ainda existia a chance de algo dar errado. E deu.

Abraços!

2 comentários:

mmartinelli disse...

Angelo,
Claro que não poderia deixar esse post passar sem um comentário.
Já tinha lido o artigo do Siegel no Wall Street Journal e, como todas as discussões sobre EMH após a crise, ganham um ar tanto um quanto emotivo (tanto do lado dos defensores da EMH quanto do lado dos detratores).
Um comentário não técnico: acho extremamente improdutivo discutir a EMH à luz da crise numa tentativa de atribuição de culpa. Não acho que a EMH é culpada pela crise. Porém, também acho que a EMH não ajudou em nada. Isso posto, o que foi provado com a crise é que a EMH falha demais para que seja minimamente útil.
Voltando ao artigo do Siegel. Achei o artigo misleading, e, até certo ponto, intelectualmente desonesto. Um exemplo: compare o segundo parágrafo do artigo com os dois primeiros parágrafos desse texto. Bom, me parece claro que Siegel, na melhor das hipósteses, aposta na ignorância do leitor quanto ao assunto (meio difícil de acreditar em se tratando de um artigo no Wall Street Journal) ou, na pior delas, foi desonesto mesmo (o que é bem possível em se tratando de um professor de uma renomada business school que deve pregar a EMH como se fosse uma religião a anos).
Quanto ao artigo vou parar aqui, porém, existem outras análises deste (aqui e aqui, por exemplo).
Por último uma opinião minha: é sabido faz algum tempo (desde o episódio LTCM, por exemplo). No entanto, na ausência de um modelo alternativo (matematicamente rigoroso) que pudesse substituí-lo, optou-se em continuar a se aplicar a EMH (e seus apêndices como CAPM e Black-Scholes). Enfim, muita água ainda vai rolar por baixo da ponte nessa discussão mas, a meu ver, a EMH está morta. Só basta enterrar.
Abs,
Marcelo
PS: Vc viu que você entrou no blogroll do Alex Schwartsman? Chiiiiique!

Angelo M. Fasolo disse...

Marcelo,

Valeu o comentário.

Sobre o blogroll do Alex Schwartsman, eu já estou por lá faz algum tempo. Bondade dele: pelo tanto que tenho escrito, não me surpreenderia se muitos passassem a considerar o blog como acabado.

Abraço!