março 11, 2009

Preferências

Estou passando por um dilema agora que, sempre acreditei, jamais passaria na minha vida. Explico.

A ESPN está passando os jogos eliminatórios do campeonato do Big East (uma das conferências, talvez a mais forte do país junto com a ACC, onde está Duke). Jogos eliminatórios, os garotos jogando no Madison Square Garden, tudo de bom para quem gosta de basquete. O jogo agora é entre Marquette (#21 no ranking nacional) contra St John's, que nem faz parte dos 25 melhores do país. Marquette está triturando St John's.

A ESPN2 está abrindo as transmissões de Inter de Milão e Manchester United. Copa dos Campeões da UEFA. Alguns dos melhores jogadores de futebol do mundo jogando no Old Trafford. Segunda partida da série, vale vaga nas quartas-de-final.

Até um tempo atrás, não haveria dilema algum sobre onde deixar a tevê ligada. É estranho, mas a tevê está no basquete, "and I feel fine".

Abraços!

5 comentários:

Cilon disse...

Um problema que eu sempre tive com o basquete é que tudo é irrelevante demais. Por mais que o cara faça a cesta mais impossivel da fisica, serão só 2 pontos e isso é uma barreira que eu não consigo superar no esporte

No tenis quebrar um serviço é o que define um jogo, no futebol um gol é um gol e no Baseball uma boa tacada é do que é feito o jogo e mesmo assim o jogo pode passar sem nenhuma dessas coisas

Como vc fez pra superar isso que o esporte recompensa a regularidade e não a genialidade ou simplesmente não é algo que lhe incomoda?

Angelo M. Fasolo disse...

Oi Cilon,

Colocando um grão de areia na tua lógica: imagine o gol mais fantástico, com o atacante partindo do campo de defesa, driblando os 10 jogadores da linha, dando dois chapéis seguidos no goleiro para completar de letra para o gol agora vazio. Quantos "pontos" vale este gol? Um, tal como a sua cesta mais impossível da física que vale 2 pontos.

Logo, a questão não é a "impossibilidade", o esforço necessário para fazer os pontos, como vc destaca depois, ao falar da regularidade. Na verdade, todo o esporte exige a regularidade ao longo do jogo como condição para a vitória.

Sobre o dilema "genialidade x regularidade", eu diria que os grandes momentos, as grandes cestas (esteticamente falando) da história do basquete foram feitas como um golpe de misericórdia no adversário. Assim, a regularidade anterior no jogo leva a estes lances geniais.

(Exemplo do que falo aqui: http://www.youtube.com/watch?v=DT1yNyRwd7w&NR=1
Neste jogo, o placar já estava praticamente definido, com os Bulls liderando por 15, 20 pontos naquela altura. Todavia, este foi o golpe de misericórdia.)

Obrigado pela visita!

Abraço!

Menin disse...

Na atual situação do teu Grêmio, com Tchecos e Celsos Roths como salvação, entendo a tua preferência pelo basquete...
abraço
Menin

Chris disse...

Sobre o basquete, nao sou uma apreciadora do esporte, ainda que ache divertido qdo tem na tv.
Discordo, tambem, qdo se fala que o basquete nao premia a genialidade. E' so' ver os chamados "buzz-beaters", com jogadas geniais, cestas mesmo impossiveis, que definem uma partida nos ultimos centesimos de segundo.

Mas legal, mesmo, e' futebol americano!!! Muito divertido ver todo mundo se batendo!!!!!! :)

Angelo M. Fasolo disse...

Pô Menin, não tenho do que reclamar: grande vitória ontem contra o poderoso Boyacá Chicó (o tempo que se demora para escrever corretamente o nome é inversamente proporcional à qualidade do time), no seu estádio que parece ser menor que o do Esportivo... humpf!

Abraços!