julho 14, 2009

Miami Summer Break

Algumas notas sobre um final de semana de verão em Miami:

1) Em apenas uma volta na quadra, na primeira noite em Miami, foi observado: um caso de prostituição (com direito a ver a negociação, bem disfarçada, até a entrada da garota no carrão do cliente), um caso de beijo gay entre senhores acima de 40 anos (o beijo foi no estilo novela das oito, caprichado), uma mesa de restaurante com mais de quinze rapazes reunidos jantando, todos gays. Estávamos em South Beach. Normal, como pudemos constatar depois.

2) Passeio em Little Havana: velhinhos jogando dominó, "esperando pela morte de Fidel para retornar ao país de origem", de acordo com a guia. Um McDonald's no meio da rua principal do bairro, e uma pintura de parede no prédio vizinho:



3) Ouço com frequência que Miami não faz parte dos Estados Unidos. Ouço, também, que o Rio Grande do Sul não faz parte do Brasil. Ambos os casos, por diferenças na composição demográfica dos Estados. Prefiro dizer que Miami faz parte dos Estados Unidos tanto quanto o Rio Grande do Sul faz parte do Brasil.

4) Praia de South Beach: tudo o que Copacabana e Ipanema gostariam de ser, mas não são pois, como diz o hino, estão "deitadas eternamente em berço esplêndido". Mas, peraí, South Beach também tem um visual legal. Fiquem, então, apenas com a primeira parte da frase.


5) Calor, muito calor em Miami. A diferença entre a sensação térmica e a temperatura registrada chegava a sete graus centígrados!!! Ou seja, se o termômetro dava 30ºC, a sensação térmica girava em torno de 37ºC. E com poucas alterações entre o dia e a noite.

6) Por causa do calor, sou obrigado a declarar: o cara mais foda deste mundo (não, não é o homem mais interessante do mundo) é Horatio Caine! Para trabalhar usando terno preto em todo o santo episódio de CSI Miami, tem que ser muito foda.


7) Por fim, uma nota sobre MIA, o aeroporto internacional de Miami. Eu já tinha feito um registro antes, sobre a confusão de um embarque para o Brasil que fiz por lá. Bom, depois deste final de semana, com confusão nas filas de inspeção e raio-x, com gente gritando e correndo por todos os lados, com os locutores falando melhor em espanhol do que em inglês, só posso concluir que o aeroporto é uma merda. Literalmente. Veja você mesmo.


O que foi? Não acredita no que está vendo? A foto foi tirada na frente do portão D-30, ala de embarque da American Airlines. Tem dúvidas sobre o que estou mostrando? Então segue versão ampliada:


Isto que só conseguimos tirar a foto depois que o conteúdo foi pisado algumas vezes por passageiros distraídos, olhando para o teto. Lamentável. E se você duvida que o conteúdo é o que parece, não perca seu tempo: o cheiro no local não deixava margem para erro. O aeroporto é uma merda.

Abraços!

5 comentários:

Chris disse...

Em relação ao aeroporto, é a velha história: é só juntar um monte de latino que dá merda, literalmente! hahahaha!
Beijos,
Chris (testemunha ocular - e olfativa - do fato)

Marcelo disse...

Eu já passei mais de uma vez neste terminal da American em Miami e péssimo, mas nunca poderia imaginar que literalmente o lugar iria ficar uma M...!! Caramba, já estive em alguns buracos ao redor do mundo mas nunca vi algo parecido em aeroporto!

Cláudio disse...

Baseando-me no que vejo por aqui nas ruas do Rio, aposto que foi algum chico cheese jr. que ficou com vontade de fazer totô e fez ali mesmo :-))))

O aeroporto nunca foi lá essas coisas mas está piorando ultimamente. O Charles de Gaule também é meio zoneado. Se você gosta de um solzinho e da Florida, conheça (se já não conhece) Clearwater e St. Petersburg. Fica na costa do Golfo do México. Muito legal...

Angelo M. Fasolo disse...

Marcelo, eu já tinha passado uma vez, como relatei, mas achei que a área de vôos domésticos fosse um pouco mais comportada. Para ser honesto aqui, nós vimos um cão-guia passando com uma senhora deficiente visual pelo aeroporto. Era um Pastor Alemão. Entretanto, para gerar este estrago, tem que ter um intestino forte, e, além disso, imagino que estes cães são treinados para não fazer isto em público, não?

Cláudio, quando estivemos em CDG, a coisa era meio confusa, mesmo, muita obra ao redor. Não sei se ainda continua assim. Sobre extensão das férias, agora fica difícil, com a filha para nascer daqui a pouco. Mas valeu pela dica!

Um abraço!

Marcelo disse...

Cão guia não costuma fazer este tipo de serviço... E pelo tamanho da "hagada" teria que ser, no mínimo, um Rotweiller dos grandes!
Este terminal da American é muito ruim, aliás como todo aeropuerto de Miami. Tem um terminal mais novinho, o "J" que não é tão ruim, sempre relativo ao resto do aeroporto. O pior que eu já tinha visto era vômito e gente sem banho, que estava acampando no terminal.